Programação de aniversário da Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz – 38 Anos Contra o Esquecimento! Evoé, Ói Nóis Aqui Traveiz!


  • Dia 31/03 (quinta feira):

20h: Desmontagem “Evocando os Mortos – Poéticas da Experiência”, na Terreira da Tribo (Rua Santos Dumont, 1186)

A desmontagem “Evocando os mortos – Poéticas da experiência” refaz o caminho do ator na criação de personagens emblemáticos da dramaturgia contemporânea. Constitui um olhar sobre as discussões de Gênero, abordando a violência contra a mulher em suas variantes, questões que passaram a ocupar centralmente o trabalho de criação do grupo Ói Nóis Aqui Traveiz.

Seguindo a linha de investigação sobre teatro ritual de origem artaudiana e performance contemporânea a desmontagem de Tânia Farias propõe um mergulho num fazer teatral onde o trabalho autoral do ator condensa um ato real com um ato simbólico, provocando experiências que dissolvam os limites entre arte e vida e ao mesmo tempo potencializem a reflexão e o autoconhecimento.

Desmontagem Evocando os mortos - Poéticas da experiênci - Foto Rafael Saes
Desmontagem Evocando os mortos – Poéticas da experiênci – Foto Rafael Saes

Desvelando os processos de criação de diferentes personagens, criadas entre 1999 e 2011 a atriz deixa ver quanto as suas vivências pessoais e do coletivo Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz atravessam os mecanismos de criação. A ativação da memória corporal, fazendo surgir e desaparecer as personagens.

Realizando uma espécie de ritual de evocação de seus mortos para compreensão dos desafios de fazer teatro nos dias de hoje.

21h30: Lançamento do livro “Ói Nóis Aqui Traveiz – Um Cavalo Louco no Sul do Brasil” de Paulo Flores, na Terreira da Tribo (Rua Santos Dumont, 1186)

O selo “Ói Nóis na Memória” lança a sua mais nova publicação “Ói Nóis Aqui Traveiz – Um Cavalo Louco no Sul do Brasil”.

O livro organizado por Paulo Flores registra a trajetória de 38 anos da Tribo em uma edição bilíngue (português/inglês) e constitui um documento vivo que se inscreve no processo de preservação cultural, já que objetiva difundir e socializar o acervo da proposta estética e política desenvolvida pelo Ói Nóis Aqui Traveiz.

 

  • Dia 1/04 (sexta feira): 

17h: Performance “Onde? Ação nº2”, na Esquina Democrática

A performance “Onde? Ação nº2” de forma poética provoca reflexões sobre o nosso passado recente e as feridas ainda abertas pela ditadura militar. A ação performática se soma ao movimento de milhares de brasileiros que exigem que o Governo Federal proceda a investigação sobre o paradeiro das vítimas desaparecidas durante o regime militar, identifique e entregue os restos mortais aos seus familiares e aplique efetivamente as punições aos responsáveis.

 

20h: “Hamlet Envenenado” com o Grupo Rito, na Terreira da Tribo (Rua Santos Dumont, 1186)

Inspirado no personagem ícone do teatro universal de Shakespeare, “Hamlet envenenado, ou o gosto do azedo”, é uma visita na obra do bardo inglês, abrindo janelas por Heiner Müller e por poemas de exílio e de resistência de alguns poetas palestinos, com suas respectivas obras: Hamlet Máquina e Lamentos dos Oprimidos.

Esse farrapo de Shakespeare, que perdido na corrupção familiar promete vingança ao fantasma do pai assassinado e que serve de moldura ao grito de Ofélia, que clama por vingança. É uma história atual, amparada pelos fragmentos de Heiner Müller e por sua violenta visão de mundo.

Embora seja uma metáfora do homem moderno e de suas consequências de vida, Hamlet é o espelho do teatro e dos homens de teatro diante da crise do artista-intelectual em sua consciência de impotência. Nosso drama não se realiza mais, estamos saturados. O vicio da modernidade tem gosto azedo e nos envenena com a ausência de referencias. O sexo, o poder, o dinheiro e a ganância são ingredientes desse veneno que bebemos cotidianamente, sentados, vestindo a máscara de espectador. Tirai-vos essa máscara!

Hamlet Envenenado - Foto Divulgação
Hamlet Envenenado – Foto Divulgação

O RITO – Grupo de Teatro – é um grupo experimental que entende nessa possibilidade de montagem, a importância de fazer um teatro social, crítico e com tantas interrogações para dividir com o público e dialogando com a História da Humanidade e nesse sentido afirmamos: “é preciso aceitar a presença dos mortos como parceiros de diálogo ou como destruidores – somente o diálogo com os mortos engendra o futuro”, como já dizia Müller.

O Grupo se constituiu após a formação de atores na Escola de Teatro Popular da Terreira da Tribo, com a Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz. Hoje desenvolve uma pesquisa no campo da dramaturgia pós-dramática e com o Teatro Ritual.

 

  • Dia 2/04 (sábado): 

20h: Lançamento do livro “Primeiras notas de Alvorada e as canções de sala de aula do prof. Johann Alex de Souza” na Terreira da Tribo (Rua Santos Dumont, 1186)

20h30: Show com Johann Alex de Souza e Leonor Mello, na Terreira da Tribo (Rua Santos Dumont, 1186)

 

  • Dia 3/04 (domingo):

15h: Performance “Onde? Ação nº2” no Parque da Redenção

Performance Onde Ação N 2 - Foto Pedro Rosauro
Performance Onde Ação N 2 – Foto Pedro Rosauro

A performance “Onde? Ação nº2” de forma poética provoca reflexões sobre o nosso passado recente e as feridas ainda abertas pela ditadura militar. A ação performática se soma ao movimento de milhares de brasileiros que exigem que o Governo Federal proceda a investigação sobre o paradeiro das vítimas desaparecidas durante o regime militar, identifique e entregue os restos mortais aos seus familiares e aplique efetivamente as punições aos responsáveis.

 

  • Dia 4/04 (segunda feira):

19h: Exibição do filme “A Missão – Lembrança de uma Revolução” no Cine Bancários (Rua General Câmara, 424 – centro)

“… Marx fala do pesadelo de gerações mortas, Benjamin, da libertação do passado. O que está morto não o é na história. Uma função do drama é a evocação dos mortos – o diálogo com os mortos não deve se romper até que eles tornem conhecido a parcela de futuro que está enterrada com eles.” (H.Müller)

A encenação evoca a revolta dos escravos na Jamaica, nos anos seguintes à Revolução Francesa e reflete sobre o Terceiro Mundo: objeto de exploração e simultaneamente, fermento do novo.

A encenação coletiva criada pela Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz vai evidenciar a opção do autor por uma poética teatral do corpo, da imagem, aliando a sua visão crítica da história à desconstrução da linguagem discursiva cartesiana. A poética cênica de A Missão insere-se na “dialética poética do fragmento”, e dirige-se primordialmente aos sentidos, mas a intenção é também ‘fazer pensar’. O reconhecimento se faz, portanto, via corpo e intelecto. A aproximação entre o fragmento e a linguagem do corpo, como contrários à linguagem do poder e do conceito é outra idéia presente em Müller, que fala da rebelião do corpo contra o conceito. O ato cognoscitivo vem a posteriori, precedido pela experiência, por algo que não pode ser determinado de imediato, mas que só assim se transforma em experiência durável.

 

Anúncios