Programação de aniversário da Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz – 38 Anos Contra o Esquecimento! Evoé, Ói Nóis Aqui Traveiz!


  • Dia 31/03 (quinta feira):

20h: Desmontagem “Evocando os Mortos – Poéticas da Experiência”, na Terreira da Tribo (Rua Santos Dumont, 1186)

A desmontagem “Evocando os mortos – Poéticas da experiência” refaz o caminho do ator na criação de personagens emblemáticos da dramaturgia contemporânea. Constitui um olhar sobre as discussões de Gênero, abordando a violência contra a mulher em suas variantes, questões que passaram a ocupar centralmente o trabalho de criação do grupo Ói Nóis Aqui Traveiz.

Seguindo a linha de investigação sobre teatro ritual de origem artaudiana e performance contemporânea a desmontagem de Tânia Farias propõe um mergulho num fazer teatral onde o trabalho autoral do ator condensa um ato real com um ato simbólico, provocando experiências que dissolvam os limites entre arte e vida e ao mesmo tempo potencializem a reflexão e o autoconhecimento.

Desmontagem Evocando os mortos - Poéticas da experiênci - Foto Rafael Saes

Desmontagem Evocando os mortos – Poéticas da experiênci – Foto Rafael Saes

Desvelando os processos de criação de diferentes personagens, criadas entre 1999 e 2011 a atriz deixa ver quanto as suas vivências pessoais e do coletivo Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz atravessam os mecanismos de criação. A ativação da memória corporal, fazendo surgir e desaparecer as personagens.

Realizando uma espécie de ritual de evocação de seus mortos para compreensão dos desafios de fazer teatro nos dias de hoje.

21h30: Lançamento do livro “Ói Nóis Aqui Traveiz – Um Cavalo Louco no Sul do Brasil” de Paulo Flores, na Terreira da Tribo (Rua Santos Dumont, 1186)

O selo “Ói Nóis na Memória” lança a sua mais nova publicação “Ói Nóis Aqui Traveiz – Um Cavalo Louco no Sul do Brasil”.

O livro organizado por Paulo Flores registra a trajetória de 38 anos da Tribo em uma edição bilíngue (português/inglês) e constitui um documento vivo que se inscreve no processo de preservação cultural, já que objetiva difundir e socializar o acervo da proposta estética e política desenvolvida pelo Ói Nóis Aqui Traveiz.

 

  • Dia 1/04 (sexta feira): 

17h: Performance “Onde? Ação nº2”, na Esquina Democrática

A performance “Onde? Ação nº2” de forma poética provoca reflexões sobre o nosso passado recente e as feridas ainda abertas pela ditadura militar. A ação performática se soma ao movimento de milhares de brasileiros que exigem que o Governo Federal proceda a investigação sobre o paradeiro das vítimas desaparecidas durante o regime militar, identifique e entregue os restos mortais aos seus familiares e aplique efetivamente as punições aos responsáveis.

 

20h: “Hamlet Envenenado” com o Grupo Rito, na Terreira da Tribo (Rua Santos Dumont, 1186)

Inspirado no personagem ícone do teatro universal de Shakespeare, “Hamlet envenenado, ou o gosto do azedo”, é uma visita na obra do bardo inglês, abrindo janelas por Heiner Müller e por poemas de exílio e de resistência de alguns poetas palestinos, com suas respectivas obras: Hamlet Máquina e Lamentos dos Oprimidos.

Esse farrapo de Shakespeare, que perdido na corrupção familiar promete vingança ao fantasma do pai assassinado e que serve de moldura ao grito de Ofélia, que clama por vingança. É uma história atual, amparada pelos fragmentos de Heiner Müller e por sua violenta visão de mundo.

Embora seja uma metáfora do homem moderno e de suas consequências de vida, Hamlet é o espelho do teatro e dos homens de teatro diante da crise do artista-intelectual em sua consciência de impotência. Nosso drama não se realiza mais, estamos saturados. O vicio da modernidade tem gosto azedo e nos envenena com a ausência de referencias. O sexo, o poder, o dinheiro e a ganância são ingredientes desse veneno que bebemos cotidianamente, sentados, vestindo a máscara de espectador. Tirai-vos essa máscara!

Hamlet Envenenado - Foto Divulgação

Hamlet Envenenado – Foto Divulgação

O RITO – Grupo de Teatro – é um grupo experimental que entende nessa possibilidade de montagem, a importância de fazer um teatro social, crítico e com tantas interrogações para dividir com o público e dialogando com a História da Humanidade e nesse sentido afirmamos: “é preciso aceitar a presença dos mortos como parceiros de diálogo ou como destruidores – somente o diálogo com os mortos engendra o futuro”, como já dizia Müller.

O Grupo se constituiu após a formação de atores na Escola de Teatro Popular da Terreira da Tribo, com a Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz. Hoje desenvolve uma pesquisa no campo da dramaturgia pós-dramática e com o Teatro Ritual.

 

  • Dia 2/04 (sábado): 

20h: Lançamento do livro “Primeiras notas de Alvorada e as canções de sala de aula do prof. Johann Alex de Souza” na Terreira da Tribo (Rua Santos Dumont, 1186)

20h30: Show com Johann Alex de Souza e Leonor Mello, na Terreira da Tribo (Rua Santos Dumont, 1186)

 

  • Dia 3/04 (domingo):

15h: Performance “Onde? Ação nº2” no Parque da Redenção

Performance Onde Ação N 2 - Foto Pedro Rosauro

Performance Onde Ação N 2 – Foto Pedro Rosauro

A performance “Onde? Ação nº2” de forma poética provoca reflexões sobre o nosso passado recente e as feridas ainda abertas pela ditadura militar. A ação performática se soma ao movimento de milhares de brasileiros que exigem que o Governo Federal proceda a investigação sobre o paradeiro das vítimas desaparecidas durante o regime militar, identifique e entregue os restos mortais aos seus familiares e aplique efetivamente as punições aos responsáveis.

 

  • Dia 4/04 (segunda feira):

19h: Exibição do filme “A Missão – Lembrança de uma Revolução” no Cine Bancários (Rua General Câmara, 424 – centro)

“… Marx fala do pesadelo de gerações mortas, Benjamin, da libertação do passado. O que está morto não o é na história. Uma função do drama é a evocação dos mortos – o diálogo com os mortos não deve se romper até que eles tornem conhecido a parcela de futuro que está enterrada com eles.” (H.Müller)

A encenação evoca a revolta dos escravos na Jamaica, nos anos seguintes à Revolução Francesa e reflete sobre o Terceiro Mundo: objeto de exploração e simultaneamente, fermento do novo.

A encenação coletiva criada pela Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz vai evidenciar a opção do autor por uma poética teatral do corpo, da imagem, aliando a sua visão crítica da história à desconstrução da linguagem discursiva cartesiana. A poética cênica de A Missão insere-se na “dialética poética do fragmento”, e dirige-se primordialmente aos sentidos, mas a intenção é também ‘fazer pensar’. O reconhecimento se faz, portanto, via corpo e intelecto. A aproximação entre o fragmento e a linguagem do corpo, como contrários à linguagem do poder e do conceito é outra idéia presente em Müller, que fala da rebelião do corpo contra o conceito. O ato cognoscitivo vem a posteriori, precedido pela experiência, por algo que não pode ser determinado de imediato, mas que só assim se transforma em experiência durável.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s