Semana Ivo Bender apresenta: IVO BENDER


Foto: Irene Santos

Ivo Bender já escreveu 35 textos para teatro, em gêneros tão distintos quanto tragédias, comédias e teatro para crianças. Esse grande autor gaúcho é apontado pelas críticas literária e teatral como o mais importante dramaturgo nascido no Rio Grande do Sul durante o século XX, e aquele que, iniciado o século XXI, ainda se sobressai como o que tem a carreira literária mais consolidada e representativa em nosso Estado.

Dramaturgo, tradutor e professor, nascido em São Leopoldo, RS, em 1936, Bender começou a escrever no início da década de 1960, sob a influência do Teatro do Absurdo. Durante as décadas de 1970 e 1980, produziu a maior parte de suas peças, cujas principais características são a crítica social, o humor e o recurso ao fantástico. Traduziu obras de Jean Racine, Emily Dickinson e Harold Pinter. Escreveu sua primeira peça, As cartas marcadas ou Os assassinos, em 1961, quando ainda era estudante de Letras na Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS. Além de sua atividade como dramaturgo, trabalhou também como ator em alguns espetáculos.

Em 1971 alcançou o seu primeiro sucesso comercial: Queridíssimo canalha, com trama ambientada em um país fictício da América Latina. Maior sucesso de público obteve a peça seguinte, montada simultaneamente em Porto Alegre e São Paulo: Quem roubou meu anabela?. Em 1972, participou com A casa sitiada da Feira Gaúcha de Opinião, coordenada pelo Teatro de Arena de Porto Alegre, e criou O auto do pastorzinho e seu rebanho, nova incursão no teatro para crianças, público para o qual escreveu outras três peças: O macaco e a velha, A invasão das tiriricas e A estrelinha cadente.

Com o lançamento, em 1988, da Trilogia perversa, inspirada em alguns dos mais conhecidos mitos gregos, Bender inaugurou uma nova fase de sua carreira dramatúrgica. Foi professor do Departamento de Arte Dramática da UFRGS, na área de literatura dramática, e cursou Mestrado e Doutorado em Letras na PUCRS. De sua tese de doutoramento surgiu o livro Comédia e riso.

Ivo Bender mantém-se, até hoje, como o mais importante autor de teatro surgido nas últimas décadas, igualando-se em relevância no cenário cultural gaúcho, a Qorpo Santo, que no século XIX revolucionou a dramaturgia brasileira, apesar de descoberto apenas cem anos depois. Bender teve a ventura de ser reconhecido durante plena atividade, vendo suas peças sendo montadas pelos mais importantes encenadores de Porto Alegre, em produções memoráveis.

Por Marcelo Adams

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s